quinta-feira, 22 de julho de 2010

No fundo do mar

Olha que legal....
Mergulhadores exploravam um navio naufragado no mar Báltico, entre a Finlândia e a Suécia, quando de repente encontraram garrafas de Champagne. Eles então levaram as garrafas (cerca de 30) para a superfície, abriram uma delas (claro, quem não abriria? rsrs) e elas estavam aptas a serem bebidas. Como? Graças às condições em que estavam conservadas: escuridão e frio.
Os sortudos que provaram disseram que o Champagne ainda tem bolhas e um gosto doce.
As garrafas teriam sido produzidas pela Clicquot ( hoje Veuve Clicquot) entre 1782 e 1788 e seria um presente do rei Luís XVI, da França, para a imperatriz russa Catarina, A Grande.
Esta preciosidade foi levada para a França para ser analisada e pode ser o Champagne de consumo mais antigo do mundo.
Se os analistas franceses confirmarem que as garrafas são mesmo do século XVIII cada uma delas poderá valer cerca de 60 mil dólares.
Aqui está a garrafa para vocês verem:



Alguém quer um golinho??

Bjs

3 comentários:

  1. Haverá uma degustação dessas garrafas promovidas pela LVMH proprietária hoje da Veuge Clicquot em Paris no Restaurante George V e que acabei de receber um convite para o evento no mes de Agosto.
    Depois comento como foi.
    beijo
    Ricardo

    ResponderExcluir
  2. beatriz quevdo lopes bloisa26 de julho de 2010 23:59

    Sil
    voce sabia que o ano que voce nasceu foi o de uma excelente safra? de vinhos e de bebes...

    ResponderExcluir
  3. Silvia, parabéns pela sua iniciativa, o consumo do vinho no Brasil comparado com outros países ainda é "marginal" e iniciativas como a sua ajudarão no futuro a trazer novos consumidores, jovens interessados e principalmente uma virada de “consumo social” para “consumo alimentar”. Vinho é para se tomar ás refeições, seja ela onde for e não somente em restaurante ou ocasiões especiais. Vá em frente, acredito no seu sucesso.
    Beijo grande Antonio Campos

    ResponderExcluir